Instituto Histórico IMPHIC - Betim

"Sapire ut protegas, Protegere ut conserues"

 

Manual de informações sobre as formas de construir no período colonial no Brasil

Veja arquivo completo em Pdf no final da pagina

 

Técnicas construtivas do período colonial

Sílvio Colin

 

 


Figuras

Figura 1 - Adobe. Confecção e assentamento. 7

Figura 2 - Alvenaria de tijolos. Aparelhos. 8

Figura 3 - Alvenaria de pedra. 9

Figura 4 - Canjicado. 9

Figura 5 - Aparelho de cantaria e aparelho misto de cantaria e alvenaria de pedra (esq.). Portal de cantaria. Imagem RODRIGUES, 1979. (dir.). 10

Figura 6 - Taipa de pilão.  Imagem BARDOU, 1981, p. 19 (esq).  Taipa de pilão reforçada com madeira, utilizada nas cadeias. Fonte BARRETO, P. T. “Casas de câmara e cadeia” In: Arquitetura Oficial I, (dir.). 11

Figura 7 - Execução da taipa de pilão. Imagem BARDOU, 1981, p. 20. 11

Figura 8 - Construção em pau-a-pique rustica. Imagem BARDOU, 198, p. 49. (esq) Construção em pau-a-pique apurada. Detalhe.  Imagem SANTOS, 1951 (dir). 12

Figura 9 - Elementos de estrutura em pau-a-pique apurada.   Imagem SANTOS, 1951. 13

Figura 10 - Muro de enxaimel. Imagem BARDOU, 1981 (esq) Tabique (dir). 14

Figura 11 - Planta da matriz de Nossa Senhora do Pilar, em Ouro Preto com as divisórias da nave construídas em tabique. Imagem SANTOS, 1951. 15

Figura 12 - Desdobramento da madeira. Gravura de Jean-Baptiste Debret. 17

Figura 13 - Tesoura de linha suspensa. 17

Figura 14 - Tesoura francesa. 18

Figura 15 - Tesoura clássica ou paladiana. 18

Figura 16 - Tesoura de Santo André. 18

Figura 17 - Tesoura romana. 18

Figura 18 - Estrutura de caibro armado. Fazenda Viegas. Imagem Cardoso, 1975. 19

Figura 19 - Telhado de caibro armado. 19

Figura 20 - Telhados feitos com pau roliço. Imagem Barreto 1975. 19

Figura 21 - Detalhe do frechal 20

Figura 22 - Elementos do beiral de caibro armado. 20

Figura 23 - Cachorros ornamentados. Imagem Lemos 1979. 21

Figura 24 - Beira. Imagem RODRIGUES, 1979. 21

Figura 25 - Beira. Imagem RODRIGUES, 1979. 22

Figura 26 - Varanda e alpendre. 22

Figura 27 - Estruturas de alpendre e falso alpendre. 23

Figura 28 - Tipos de forro. Fonte Santos, 1951. 23

Figura 29 - Forro de taquara. Detalhe e assentamento. Imagem Santos, 1951. 24

Figura 30 - Forro abobadado e forro em esquife. 24

Figura 31 - Forro em esquife. Museu do ouro em Sabará. Imagem Smith, 1975. 24

Figura 32 - Folha de réguas (Esq). Porta principal fazenda em Embu e folha de almofadas (centro) Janela da fazenda do Padre Inácio. Imagens Luis Saia, 1975 e Janela com conversadeira (Dir). 25

Figura 33 - Folha de treliça. Fazenda Viegas. Imagem Cardoso 1975m (Esq.) Janela com postigo (Centro) Porta com folhas de pinázios (Dir.). 26

Figura 34 - (E) Rótula  (C) Abertura à inglesa. Janela de  guilhotina (D) Abertura à francesa. 26

Figura 35 - Tipos de vãos. Fonte Barreto, 1975. 27

Figura 36 - Muxarabi e balcão. Desenho Rodrigues, 1979. 28

Figura 37 - Óculo e seteira. 29

Figura 38 - Dobradiças de leme. 30

Figura 39 - Aldraba. Fazenda Embu. 30

Figura 40 - Puxadores e trancas. 30

Figura 41 - Piso de ladrilhos. Tipos de juntas. Junta reta, junta matada e xadrez. 31

Figura 42 - Piso em frisos de madeira. 31

Figura 43 - Detalhe dos frisos e sua estrutura apoiados em parede de taipa de pilão (esq). Detalhe de pisos e paredes de enxovias reforçados com lastro e grades de madeira. (dir). 32

Figura 44 - Detalhe de pisos de enxovias com lastro de madeira. (E) Com frisos de madeira. (D) De terra batida. 32

Figura 45 – Lajeado (esq) Pé de moleque com costelas (dir). 33

Figura 46 - Costelas. 33

Figura 47 - Capistrana. 33

Figura 48 - Alicerce de parede de pau-a-pique. Fonte SANTOS, 1951. (esq). Encaixe das ombreiras na soleira do alicerce. Fonte Vasconcellos, 1979. (dir). 34

Figura 49 - Enchimento do espaço entre o baldrame e  o solo.  Fonte Vasconcellos, 1979. (esq) Acabamento do alicerce e sargeta.  Fonte Vasconcellos, 1979. (dir). 35

Figura 50 - Tipologia volumétrica. 37

Figura 51 - Casa sertaneja.Imagem Barreto, 1975. 37

Figura 52 - Palhoça. Imagem BARDOU, 1983. 38

Figura 53 - Fazenda de Engenho. (Fonte Vauthier, 1975). 38

Figura 54 - Planta de uma senzala. Fonte Valthier, 1975 (esq) Corte de uma senzala. Fonte Valthier, 1975 (dir)  39

Figura 55 - Usina de Engenho. (Fonte Vauthier, 1975). 39

Figura 56 - Fazenda de Engenho. Detalhe de planta. (Fonte Vauthier, 1975). 40

Figura 57 - Fazenda Viegas. Rio de Janeiro, 1725. 40

Figura 58 - Fazenda Colubandê. São Gonçalo. 41

Figura 59 - Fazenda Colubandê. São Gonçalo. 41

Figura 60 - Sítio do Padre Inácio(esq) Sítio do Mandu (dir). 42

Figura 61 - Sítio Querubim (esq) Villa Angarana. Palladio. 1570 (dir). 43

Figura 62- Planta das casas. Fonte BARRETO, Paulo T. 44

Figura 63 - Casa de meia-morada. Corte. 45

Figura 64 - Sobrado na Rua do Amparo. Olinda, sec. XVII. (esq) Pátio de São Pedro (dir). 46

 


Vedações e divisórias

Alvenaria

A alvenaria é uma técnica de confecção de muros utilizando tijolos, lajotas ou pedras de mão, aglutinados entre si por meio de uma argamassa. No período do Brasil colonial as argamassas mais utilizadas eram de cal e areia ou de barro.

Adobe

O adobe é uma lajota feita de barro com dimensões aproximadas de 20 x 20 x 40 cm, compactados manualmente em formas de madeira, postos a secar à sombra durante certo numero de dias e depois ao sol. O barro deve conter dosagem correta de argila e areia, para não ficar nem muito quebradiça, nem demasiadamente plástica. Para melhorar sua resistência, pode-se acrescentar fibras vegetais ou estrume de boi. As lajotas assim confeccionadas são assentadas com barro, e revestidas com reboco de argamassa de cal e areia. Embora encontremos importantes construções feitas inteiramente de adobe, como a matriz de Santa Rita Durão, MG[1], o material era usualmente reservado a divisórias interiores.

Tijolos Cerâmicos

Usando a mesma matéria prima – a argila, o tijolo cerâmico difere do adobe pelas suas dimensões menores e pelo fato de ser cozido em fornos, a altas temperaturas. Sua durabilidade o rivaliza com a pedra. Foi talvez o primeiro material de construção durável utilizado pelo homem. Aliás, mesmo o homem fora feito de argila, de acordo com a Bíblia, que ensinava a utilizá-lo[2],e sua presença assinalava para a possibilidade de vida sedentária, junto aos aluviões dos rios. O Portão de Ishtar, na Babilônia, do século IV a.C. e a Muralha da China, do século III a.C., constituem-se em exemplos não somente da durabilidade como também do grau de evolução a que chegou esta técnica no período proto-histórico. Desde o século XVII, o tijolo era comumente empregado na Bahia e em 1711 já existe registro de uma olaria em Ouro Preto. A precariedade de condições, entretanto, reservava a maior parte da produção das olarias para telhas. As alvenarias de tijolos somente vão se tornar comuns no século XIX. Nos séculos precedentes perde, em importância para a taipa de pilão, a pedra e cal, e mesmo o adobe. Encontramos, entretanto, fiadas de tijolos associadas à pedra em muros de pedra e cal.

Pedra

Era o material que conferia maior resistência aos muros, razão porque era utilizada nas fortificações, igrejas monumentais e nas construções oficiais. No início da colonização, ainda no século XVI, já encontramos construções assim realizadas. É o caso da torre que Duarte Coelho ergueu em Olinda em 1535. Foi a técnica preferida das igrejas de Ouro Preto[3].

As pedras utilizadas eram calcários, arenitos ou pedra de rio e granitos , no Rio de Janeiro, e mesmo a pedra-sabão e a canga[4], em Minas. As argamassas eram cal e areia, mais resistente, ou o barro, onde não existia a disponibilidade de cal. As pedras eram de tamanho variável, até 40 cm na maior dimensão ou mais, e acabamento irregular, sem qualquer trabalho de aparelhagem. Pedras menores eram colocadas para calçar as maiores.

Na alvenaria de pedra seca, é dispensada a argamassa. As paredes têm grande espessura (0,60 a 1,00 m) e são assentadas com a ajuda de formas de madeira. Esta técnica é mais utilizada para muros exteriores. As pedras de mão, maiores, contornadas por pedras menores recebe o nome de cangicado.

 


Cantaria

Por cantaria entendemos o serviço utilizando a pedra lavrada de maneira precisa, de modo que as peças se ajustam perfeitamente umas sobre as outras sem o auxílio de argamassa aglutinante. Para o assentamento rigoroso utilizam-se grampos metálicos  e, às vezes, óleo de baleia como adesivo, para auxiliar na vedação. Apesar de ser um serviço sofisticado, que exige profissional bastante habilitado – o canteiro, é também milenar. Os templos gregos e romanos, as grandes catedrais medievais foram, em sua maioria, executados em cantaria.

No Brasil, entretanto, como também em Portugal, devido à dificuldade de mão de obra qualificada e também devido ao custo, a cantaria não era utilizada na totalidade do edifício, mas apenas em suas partes mais importantes: nos frontispícios, nas soleiras, nas pilastras, nas cornijas, nos portais, nas janelas e nos cunhais, sendo, no restante das vedações, utilizada outra técnica mural. O aparelho das pedras não era muito elaborado, exceto no Rio de Janeiro, a partir da segunda metade do século XVIII.


Taipa de Pilão

A taipa de pilão foi o material mais empregado nas construções coloniais no Brasil, devido sobretudo à abundância de matéria prima – o barro vermelho, à relativa facilidade de execução, à satisfatória durabilidade[5] e às excelentes condições de proteção que oferece quando recebem manutenção adequada. É uma técnica de origem mourisca praticada pelos portugueses e espanhóis desde tempos imemoriais, conhecida também pelos negros africanos. Era de uso comum na Europa, até meados do século XIX. Na França recebia o nome de pisé.

 

A técnica consiste em amassar com um pilão o barro colocado em formas de madeira, os taipais, semelhantes às formas de concreto utilizadas hoje.  Os taipais têm somente os elementos laterais, e são estruturados por tábuas e montantes de madeira,  fixados por meio de cunhas, em baixo, e um torniquete em cima. Suas dimensões são de aproximadamente 1,0 m de altura por 3,0 a 4,0 m lateralmente, e têm a espessura final da parede, 0,6 m a 1 m. Após a secagem, o taipal é desmontado e deslocado para a posição vizinha. E assim sucessivamente.

 

Os critérios de escolha do barro não se conservaram plenamente, de vez que dependia de tradição oral e ficou perdida no tempo. Sabe-se que, semelhante ao adobe, deve ser uma mistura bem dosada de argila e areia e alguma fibra vegetal, crina de animal ou mesmo estrume. Podia-se também misturar óleo de baleia, que “conferia uma resistência extraordinária”[6]. O barro é colocado em pequenas quantidades, em camadas sucessivas de aproximadamente 20 cm, que se reduzem a 10 ou 15 cm depois de comprimidas.

A secagem durava de 4 a 6 meses, findos os quais as paredes poderiam receber revestimento, geralmente argamassa de cal e areia, que lhe aumentava a resistência. A esta argamassa era, às vezes acrescentada “bosta de vaca”. O resultado era uma argamassa capaz de resistir “à mais forte e duradoura chuva”[7]. Como a parede não podia receber água de chuva, alguma providências eram tomadas, entre elas o uso de grandes beirais e a elevação acima do terreno com alvenaria de pedra. Paulo Santos nos fala de “uma construção existente em Cabo Frio, datando de pelo menos três séculos”, de taipa de pilão, cuja resistência é tão grande, “a ponto de se assemelhar ao nosso concreto”[8] Uma variante do sistema, chamado formigão[9], consiste em misturar à massa de barro pedras miúdas e pedras maiores (pedras de mão).

A taipa de pilão foi mais utilizada nas regiões de São Paulo e Goiás. Em Minas, a encontramos em igrejas mais antigas e em residências. Nas cadeias, quando não era possível sua execução com pedra e cal, a taipa era reforçada com engradamento de madeira, nas paredes e nos pisos.

Pau-a-Pique

Pau-a-pique, taipa de sebe, taipa de mão, barro armado ou taipa de sopapo, são diversos nomes para um dos sistemas mais utilizados tanto nos tempos da colônia como ainda hoje em construções rurais, devido a suas qualidades – baixíssimo custo (todos os materiais são naturais), resistência e durabilidade. Conhecido dos indígenas e dos negros africanos, utilizado no Nordeste, nos Massapés e em Minas.

Na sua versão mais depurada, consiste em uma estrutura mestra de peças de madeira, cuja seção pode variar 50 x 50 cm, 40 x 40 cm até 20 x 20 cm composta de esteios – peças verticais enterradas no solo, baldrames – peças horizontais inferiores, e frechais – peças horizontais superiores. Os esteios tem comprimento de até 15 m, dos quais 2 a 4 m são enterrados.

 

A parte extrema dos esteios, que ficava enterrada não era afeiçoada em seção quadrada, mantendo a forma roliça das árvores. Era popularmente denominada nabo. As madeiras preferidas era a Aroeira ou Braúna. Os baldrames era ligados aos esteios por sambladuras tipo rabo-de-andorinha. Entre os esteios e os frechais eram então colocados paus roliços verticais (paus-a-pique), de aproximadamente 10 cm de diâmetro. A este eram ligados horizontalmente outros mais finos, compondo uma malha quadrangular, em apenas um dos lados ou nos dois lados. Esta trama era amarrada com cordões de seda, linho, cânhamo ou buriti. Feita a trama, o barro era jogado e apertado com as mãos, daí o nome de sopapo.

 

No caso de paredes muito altas, utilizam-se peças intermediárias entre o baldrame  e o frechal, denominadas madres[10]. Sob os baldrames estão os socos, o espaço preenchido com alvenaria, funcionando apenas para vedação. Para reforço do baldrame, entre este e o solo, pode-se colocar peças de madeira, denominadas burros.

Paulo Santos nos informa de diversas igrejas de Minas construídas por esta técnica: Santa Rita e Nossa Senhora do Ó, em Sabará, Matriz de Nossa Senhora da Conceição, em Catas Altas, Nossa Senhora das Mercês, em Mariana, Nossa Senhora das Mercês e Perdões em Ouro Preto[11].

Era a técnica muito utilizada também para divisórias internas, sobretudo nos pavimentos elevados, em construções cujas paredes externas eram de taipa de pilão.

Enxaimel

Em tudo semelhante ao sistema anterior no que se refere à estrutura principal, dele difere quanto à vedação. Neste caso o vão entre os esteios, estes também denominados enxaiméis, e as madres, baldrames e frechais, é reforçado com peças inclinadas nos cantos ou na diagonal dos quadros. Estas peças têm o nome de cruz de Santo André ou aspas francesas. O vão é preenchido com adobe ou mesmo tijolos. Esta técnica é também milenar, utilizada na Europa medieval, e muito popular no sul do país. Mas tanto Paulo Santos como Sylvio de Vasconcelos registram a utilização em outras regiões.


Tabique

Tabique é uma divisória feita com estrutura de vigas de madeira e revestimento de tábuas. È um serviço e grande simplicidade e facilidade de execução, utilizado no Brasil colonial sobretudo para divisórias internas. As madeira utilizadas são as mesmas das estruturas de maior responsabilidade, isto é, aroeira, ipê, peroba, maçaranduba, jatobá, e também aquelas de menor densidade como o cedro, a canela, o vinhático, a caviúna, entre outras. Esta grande simplicidade entretanto não quer dizer que lhe foi reservado papel de menor responsabilidade. O exemplo mais marcante é, sem dúvida, o da Matriz de Nossa Senhora do Pilar, de Ouro Preto, cujas paredes externas são de alvenaria de pedra e a parede da nave, de madeira, conferindo-lhe a forma poligonal.

 


Coberturas e Forros

Telhas

Os telhados são, por assim dizer, a marca da arquitetura colonial. Embora no século XVI as boas construções, como casas de Câmara e Cadeia ainda usassem o sapé, eram depois substituídas por telhas. As telhas são sempre cerâmicas, de capa e canal, ou capa e bica, também chamadas telhas canal ou colonial. Fora do Brasil são conhecidas por telhas árabes ou mouriscas. Inicialmente eram moldadas artesanalmente por escravos. Eram naturalmente muito irregulares, o que gerou uma crença popular de que eram “feitas nas coxas”. A expressão inclusive transcendeu o discurso técnico, e é ainda hoje utilizado para designar pejorativamente qualquer coisa mal feita. Por extensão, a expressão passou a designar qualquer coisa mal feita ou irregular.

 

O cozimento também não era perfeito, como viria a ser no século XIX, quando aqui aparecem as telhas francesas ou marselha e as telhas romanas. O processo de moldagem e cozimento davam a estas telhas forma e coloração muito características responsáveis pela aparência inconfundível das edificações coloniais, que tanto agradam às novas gerações.

Estruturas de telhado

A estrutura de assentamento das telhas era sempre de madeira. O desdobramento das peças era artesanal, executado geralmente por escravos, como mostra a bela gravura.

As tesouras[12] (em Portugal chamadas asnas) mais utilizadas eram a tesoura de linha suspensa, ou canga de porco e a tesoura de Santo André; mais raramente a tesoura paladiana. A tesoura romana seria mais comum a partir do século XIX.

O uso de tesouras como estrutura principal e terças e caibros como estrutura secundária é mais apurado e recente. Primitivamente era comum o sistema de caibro armado, isto é, sem tesouras, com cada caibro recebendo o seu próprio tirante ou olivel. Acima deste, apenas as ripas e telhas. O encaibramento era executado de maneira variada, sendo comuns os paus roliços – “caibros de mato virgem, redondos e bons”. Podiam também ser lavrados a machado, ou ainda, serrados. Quando serrados, tinham dimensões aproximadas “de altura três quartos de palmo e de grosso meio palmo e assentados em distância outros dois palmos”

As seções das peças das tesouras eram maiores que as utilizadas hoje e suas medidas eram em palmos: um palmo quadrado (22 x 22 cm), um palmo por um e meio (22 x 33 cm), e assim por diante. Para melhor distribuição das cargas, no caso de paredes de taipa de pilão, é feito um reforço de madeira que recebe os caibros ou pernas das tesouras. Cada tarufo corresponde a um caibro, que é juntado aos frechais por meio de sambladuras tipo rabo de andorinha.As madeiras mais utilizadas eram a canela, peroba do campo, angelim, braúna jatobá e jacarandá.

Beirais e beiras

Os beirais são um capítulo à parte devido a sua importância na proteção das paredes, na condução das águas de chuva e na linguagem estética. A própria existência dos beirais é uma das características dos edifícios coloniais. Os beirais protegiam da chuva as paredes de taipa ou pau-a-pique. A forma característica de mudança de inclinação das águas, que tem o nome de galbo, tinha a finalidade de projetar a água para mais distante. A peça de madeira  que propicia e execução do galbo chama-se contrafeito.

 

Na ponta dos caibros que faziam os contrafeitos, esculpiam-se cabeças de cachorro, às quais atribuíam a função simbólica de proteção da casa, à semelhança das carrancas das navegações medievais.  Por extensão estas peças ficaram sendo chamadas de cachorros, e o conjunto de caibros do beiral era a cachorrada.

 

As beiras são ornamentos de pequena profundidade na alvenaria, no ponto de ligação com o telhado. Muitas vezes eram executados com o próprio material do revestimento, usando telhas como moldes. A expressão “sem eira nem beira” para designar uma pessoa pobre, sem posses, vem da arquitetura colonial. Eira é um pequeno quintal nos fundos da casa; beira é a decoração da alvenaria, de que falamos. “Sem eira nem beira” é pois, uma pessoa que tem uma casa tão pobre que não tem quintal nem ornamento na parede.

 


Varandas e alpendres

Devido à grande divergência entre autores quanto a estes elementos, Sylvio de Vasconcelos sugere a adoção da seguinte nomenclatura. Varanda é o espaço resultante do prolongamento da água principal do telhado e apoiado diretamente no solo, guarnecido por guarda-corpo, peitoril balaustrado ou grade de ferro.

 

O alpendre é uma peça coberta, geralmente no pavimento térreo, com uma cobertura autônoma, que não se constitui prolongamento do telhado, como a varanda, mas é apoiada na parede principal do edifício. Vasconcelos conclui dizendo que o alpendre é apoiado na outra extremidade diretamente no solo. Na nomenclatura da técnica edilícia, entretanto, isto se constitui um falso alpendre, pois o verdadeiro alpendre tem uma de suas extremidades em balanço (MONTEIRO, 1976).  É comum entretanto vermos o termo alpendre utilizado como sinônimo de varanda, como no texto clássico de Luís Saia, O alpendre nas capelas brasileiras. Existe portando uma divergência entre a terminologia técnica, mais precisa, e aquela dos textos históricos, mais livre.

 


Forros

Os forros mais comuns eram de tábuas de madeira, planos, assentes diretamente na estrutura dos telhados, ou em um barroteamento complementar. As tábuas tinham geralmente largura aproximada de um palmo. Neste caso, a junção das peças de madeira poderia ter várias formas.

 

Havia também os forros com esteira de taquara.

 

Além da forma plana, os forros poderiam possuir a forma abobadada, muito comum nas igrejas, ou a chamada forma de esquife, caixão ou gamela. No forro abobadado são feitas cambotas auxiliares, encurvadas na forma final da forração. No segundo caso, é muito comum que se utilizem as mesmas peças do madeiramento do telhado. O forro compõe-se de cinco painéis, quatro deles inclinados e o último plano.

 

Em construções mais luxuosas, os forros poderiam formar painéis moldurados. Neste caso as molduras tinham altura de cerca de 15 cm, e eram feitas de caixotões de madeira.Os forros eram geralmente pintados ou em uma cor somente ou decorada com pintura abstrata ou figurativa.  Era comum a pintura faiscada, isto é, imitando madeira ou pedra.

Esquadrias

As folhas das portas e janelas eram sempre de madeira e não diferiam muito conceitualmente de nossas práticas atuais. As diferenças ficam por conta das disponibilidades técnicas e características acessórias. As folhas podiam ser de réguas, de almofadas, de treliças (urupemas) ou rendas de madeira – estas últimas no caso de folhas de janelas. Mais recentemente, a partir do século XVIII, quando o uso do vidro se torna mais comum, aparecem as folhas de pinásios com vidros.

 

Nos primeiros séculos, o vidro era artigo de luxo, “os mais custosos ornamentos no interior do Brasil”[13]. Conta-se inclusive que, nas mudanças, os moradores levavam as peças de vidro consigo[14]. Robert Smith nos conta que o primeiro a fazer menção de vidros em janelas é o viajante sueco Johan Brelin, em 1756.[15]

 

Era comum, nas janelas, o uso de postigos, pequenas portinholas fixadas nas folhas principais, para auxiliar na iluminação e mesmo para vigia.

 


Funcionamento

 

O mais comum era a abertura segundo um eixo vertical – abertura à francesa, ou horizontal, que hoje chamamos de basculante. Sylvio de Vasconcelos denomina as primeiras de gelosias e as segundas de rótulas. Não é entretanto uma unanimidade a denominação. Na verdade a palavra italiana gelosia significa ciúme, e designa mais o elemento que permitia às mulheres observarem o movimento das ruas sem serem vistas. “Quem está por trás das varinhas em xadrez pode ver e não ser visto. Em suma (…) traz também a idéia de zelo e ciúme.”[16] Designa portanto mais as treliças ou urupemas, e mesmo mais tarde, as venezianas, do que a articulação das janelas. Por outro lado rótula, independente de serem verticais ou horizontais, designa a articulação, o tipo de funcionamento – diferente das janelas de guilhotina por exemplo. Na literatura especializada vemos portanto os termos rótula e gelosia serem utilizados no sentido oposto ao definido por Vasconcelos, e até mesmo encontramos a palavra rótula designando as treliças, mesmo quando fixas[17], o que se constitui evidentemente num erro. Optamos portanto pela designação abertura à francesa para as janelas e portas  acionadas por dobradiças de eixo vertical. Utilizamos rótula, seguindo uso consagrado, para janelas de eixo horizontal. Adotamos gelosia como sinônimo de rótula, embora possa também designar o enchimento do quadro das janelas com treliças. Já no século XVIII tornam-se comuns as janelas de guilhotina, ou abertura à inglêsa.

Vãos

 

Os vãos eram compostos de quatro elementos. As vergas, elemento superior, as ombreiras, laterais e os peitoris e soleiras, inferiores. Nas paredes de alvenaria, pau a pique e adobe, de menor espessura, a solução não diferia do que hoje faríamos. Nas paredes de taipa de pilão e alvenaria de pedra, mais espessas, temos uma solução característica, que chama0mos janelas de rasgo ou janelas rasgadas. Com a finalidade de aumentar a luz do compartimento, as laterais do vão eram chanfradas ou ensutadas. A parte da alvenaria que preenchia o vão da soleira até o peitoril, geralmente menos espessa que o restante da parede, chamava-se pano de peito. O espaço conseguido com o rasgo da parede, bem iluminado e fresco, recebia assentos de madeira, taipa ou alvenaria chamados conversadeiras.

O peitoril levava um gradil de madeira torneada, ou de ferro batido, dizia-se que era uma janela de peitoril entalado, isto é, contido no vão. Quando projetado para fora tínhamos as janelas sacadas, simplesmente sacadas ou janelas de púlpito. Várias sacadas unidas, com espaço de circulação entre elas formavam um balcão, que usualmente era coberto pela projeção do telhado. As sacadas e balcões tinham, na parte interior um reforço estrutural, que poderia ser de madeira ou de pedra, chamado cão, cachorro, ou consolo. Estes consolos suportavam o piso da sacada, uma peça de pedra – a bacia. Os muxarabis eram construído sobre as sacadas.

O acabamento das janelas poderia ser de madeira, ou nas construções mais sofisticadas, de cantaria de pedra, material que a partir do século XIX se consagrou. Quando de cantaria, as vergas podia receber cornijas. O uso de vergas curvas ou onduladas aparecem talvez pela primeira vez no Brasil, segundo Robert Smith, em 1743, no Paço dos Governadores do Rio de Janeiro. Em Portugal fora empregado em 1717, na fachada do Palácio de Mafra, edifício assinado por João Frederico Ludovice.

Outros Elementos

Muxarabis e balcões

 

O muxarabi é um dos elementos mais característicos da nossa arquitetura colonial, uma das mais persistentes influências da arquitetura árabe. Segundo Estêvão Pinto[18], muxarabi significa local fresco[19]. Para nós designa um balcão fechado por treliças, chamadas também de urupemas, geralmente com janelas de rótula. As frasquias que formavam as urupemas tinham dimensões bem pequenas, em torno de 15 mm, e eram sobrepostas, formando uma malha bem delicada.

Hoje em dia existem muito poucos exemplares de muxarabis. A vinda da Corte portuguesa foi um golpe de morte para eles. Oficialmente alegava-se que o país devia perder os ares de colônia, e assimilar as novas tendências européias, isto é, o Neoclassicismo, que não admitia a influência “espúria” da arquitetura árabe, mas somente a tradição greco-romana. Conta-se, entretanto, que o Príncipe Regente tinha medo de possíveis ataques contra ele e os membros da corte, ataques este que seriam camuflados pelas treliças. A verdade é que a operação iniciada com o intendente Paulo Fernandes Viana teve efeito devastador sobre os muxarabis. No Rio de Janeiro não restou nenhum. “A impressão era que se tinham deixado as casas em trajes menores”[20]

Balcão é uma peça sacada do corpo principal, um pouco maior em profundidade que a sacada, permitindo o trânsito entre um peça e outra da construção principal pelo exterior.

Seteiras e óculo

As seteiras são pequenas aberturas verticais, utilizadas na arquitetura militar como vão de observação, vigia e tiro. mas são também usadas na arquitetura civil e religiosa. Os óculos têm forma circular, quadrifólio ou outras. Na arquitetura militar as seteira têm também o nome de balestreiro. Os óculos são muito comuns nas igrejas, para luminação adicional das tribunas, consistórios ou outros compartimentos. Neste caso têm moldura de pedra e são esculpidas em perfís diversos.

Ferragens

As ferragens para acionamento eram as chamadas dobradiças de cachimbo ou dobradiças de leme. O leme era a chapa de ferro fixada nas folhas das portas, os quais tinham as mais variadas dimensões e desenhos. As aldrabas, ou aldravas eram pequenas argolas ou maças metálicas fixadas  em um eixo, para o visitante bater na porta; servia em outros casos, para acionar uma tranqueta e assim abrir a porta pelo lado de fora.

 


Piso

Pisos e Pavimentos

Pisos e Pavimentos Internos

O piso mais simples era de terra batida. A terra era socada com certa mistura de argila, areia e água, à qual se adicionava às vezes sangue de boi, para uma melhor liga. No piso de terra batida podia-se assentar ladrilhos de barro cozido, de 7 a 8 mm de espessura e 20 a 30 cm de largura. O desenho de assentamento podia ser de junta reta, com junta matada ou mata-junta, paralelo ou em xadrez. Especial destaque para os pisos das enxovias nas casas de câmara e cadeia.

Os pisos de tábuas corridas de madeira eram os mais comuns em pavimentos elevados do solo. Em alguns lugares, a única solução possível. Os frisos de madeira tinham em torno de 40 cm de largura e espessura de 3 a 4 cm, apoiados em barrotes.  Com o passar do tempo, as peças vão se adelgando, chegando a 2,5 cm, e se estreitando, chegando a 10 ou 15 cm.  A seção dos barrotes eram “em quadra”, isto é, quadrada, medindo em torno de um palmo (22 cm) até “palmo e meio” ou “um pé” (cerca de 30 cm), dependendo do vão.

Na cadeia de Ouro Preto, em 1723, os pisos foram feitos com lastro de coçoeiras “de três quartos de palmo em quadra”[21] (cerca de 16 cm, de seção quadrada). Nas enxovias dos negros, tal lastro de madeira era recoberto com terra batida misturada com sangue de boi, nas cadeias dos brancos, a grade era assoalhada. À semelhança dos forro, podiam ser assentados em junta seca, com ou sem mata-junta por baixo,  em meio-fio ou em macho e fêmea, mais raro. As madeiras utilizadas eram sempre de boa qualidade: ipê, jacarandá, canela parda, jatobá, e outras, variando com a época e a disponibilidade.

Pavimentos Externos

Os lajeados eram lajes de pedra – arenitos, gneiss ou calcários, assentados com argamassa de barro. Estas lajes podiam ser trabalhadas por canteiro apenas na face superior, ou também nas faces laterais. Tinham estas lajes de 5 a 10 cm de espessura normalmente, porém em casos excepcionais podiam ser mais espessas. É o caso da cadeia de Ouro Preto, para a qual José Fernandes Pinto Alpoim, em 1745,  mandou que os pisos fossem que eram “lageados por baycho com lagedo de morro, e que nenhuma pedra tivesse menos que cinco palmos de comprido e hum ou dous de groço”[22].

Os lajeados podiam ser feitos de mármore, caso em que o acabamento era bem melhor, e reservado a compartimentos mais nobres, como saguões de edifícios públicos civís ou religiosos. O pé-de-moleque ou calçada portu-guesa era muito comum. Consistia no assentamento sobre a terra batida de seixos rolados (pedras redondas de rio). Podem ser empregados seixos de duas cores, formando mosaico. Podem ser utilizados em interiores de pavimentos térreos, caso em que se utilizam pedras de diâmetro menor, com cerca de   3 cm, ou também para pavimentos de calçamentos de vias públicas, com pedras maiores, de diâmetro aproximado de 10 cm.

Nas vias públicas, para reforçar a pavimentação, podem-se colocar lajes de pedra enterradas a prumo, em forma de costelas. Os espaços entre as costelas são preenchidos com pé de moleque.


Capistrana é uma faixa contínua de lajeado no meio de uma via pública, em cujas laterais se adiciona a pavimentação de seixos ou lajes. O nome capistrana refere-se a Capistrano Bandeira de Mello, presidente da província de Minas, que mandou executar este serviço em 1878.

 

Pintura

As paredes eram geralmente caiadas. A cor branca foi, por isso mesmo notada por todos aqueles que deram notícias sobre nossas construções coloniais, como Maria Graham, Vauthier, Kidder e Spix e Martius. A caiação era feita de cal de mariscos, de pedra ou tabatinga[23].

As madeiras eram preferencialmente pintadas a cola, têmpera ou óleo, sendo o óleo utilizado como veículo extraído de mamona, de baleia ou de linhaça. Quando o veículo era a cola, usava-se cola de peixe, de pelica ou couro de boi. Para a têmpera, utilizava-se a secular albumina de ovo. Os corantes mais comuns eram o anil ou índigo -indigueiro-leguminosa (azul), sangue de drago e urucum (vermelho), a açafroa (amarelo), a braúna (preto), o  ipê e a cochonilha (cor de rosa)[24].

Nas pinturas decorativas, era comum a chamada “pintura de fingimento”, que procuravam imitar madeira ou mármore.  Faiscado era o nome que se dava em Minas Gerais à pintura a óleo ou tempera de portais, ombreiras e batentes de madeira imitando pedra.

Alicerces

 

Nas construções coloniais eram utilizadas sempre fundações diretas, no mais das vezes de alvenaria de pedra seca, qualquer que seja o tipo de parede. A exceção fica com as construções estruturadas com esteios – o pau-a-pique e o enxaimel. Neste caso as peças de madeira que formam os esteios são enterradas no solo com 2 a 4 m de profundidade. A parte enterrada não era afeiçoada em seção quadrada mas mantinha a seção do tronco original. Esta parte do esteio é popularmente chamada de nabo e recebia um tratamento contra o apodrecimento e contra brocas e fungos. Este tratamento consistia em crestar a madeira com fogo. Paulo Santos nos diz que existem esteios mergulhados no solo há mais de dois séculos e com o núcleo central em perfeito estado, embora com a parte externa apodrecida[25].

Para as outras técnicas, os alicerces eram sempre a alvenaria de pedra, às vezes seca, às vezes com barro, ou apenas rejuntada com calda. A calda é um barro muito liqüefeito, que pode ser derramado e preenche os vazios entre as pedras. Pode ser derramado depois de uma ou duas fiadas prontas.

 

As dimensões dos alicerces eram variáveis, mas não diferiam muito das práticas atuais para fundações diretas. Para a igreja de Nossa Senhora do Monte do Carmo de Ouro Preto foram usados baldrames[26] de cerca de 2 m de profundidade (dezoito palmos) e de largura 90 cm (quatro palmos) externamente para fora da parede e 30 cm (palmo e meio) para dentro, isto é, a largura da parede mais 1,2 m (um total de aproximadamente 3,5 m)[27]. Mais recentemente, os aliceces tornam-se menos profundos e a parte saída das paredes diminui para aproximadamente um palmo. O acabamento dos alicerces é sempre bem nivelado com uma pedra, que os cobre em toda a extensão, não sendo interrompido nem para as obreiras das portas, que são nele encaixados.

 

Tipos e padrões da arquitetura civil colonial

VOLUMETRIA CONSTRUTIVA

Os mais importantes fatores determinantes das formas arquitetônicas de nossa arquitetura colonial são de ordem econômica e técnica. Assim é que muitas das possibilidades da arquitetura praticada na Europa não são vigentes aqui devido à falta de recursos econômicos. A escolha das técnicas construtivas, muitas vezes a sua má realização, e a relativa fragilidade das nossas construções, apontada pelos diversos cronistas da época têm sua explicação na escassez de recursos alocados na construção mesmo dos mais importantes edifícios.

Somente a partir de 1630 aproximadamente podemos falar de algum padrão mais definitivo com relação à construção. É nessa época, por exemplo, que a cobertura vegetal começa a ser substituída pela telha cerâmica[28], exceto as mais modestas, como as casas de sertanejos, afastadas das fazendas, e a senzalas. Com as limitações de largura impostas pelas técnicas construtivas, desde que os vão eram vencidos apenas com vigas de madeira, o que determinava uma largura de algo em torno de 6 m para as alas, e ainda a necessidade de melhor  iluminação e ventilação dos compartimentos praticamente impunha o pátio central. Esta solução era bem adequada para edifícios de maior porte, como palácios, paços, e outras construções maiores para equipamentos públicos. Eram colocados sempre em centro de terreno, assim como os pavilhões. O pavilhão composto em forma de “L” (6) era uma solução intermediária entre o pavilhão e o claustro. Era utilizada quando se dispunha de terrenos de boa largura para casas-grandes, mansões urbanas, etc. A varanda alpendrada (7) ou puxada (8) era solução comum em todos os partidos, desde a casa mais simples do sertanejo até as mais sofisticadas.

No desenho abaixo estão representados os tipos mais utilizados. A “meia-água” (1) era geralmente utilizada em construções de menor importância, como o rancho e a cozinha. O telhado de duas águas (2) era muito utilizado em construções urbanas, sobretudo em casa geminadas, um padrão dos mais comuns nas cidades, nas casas de porta e janela, meia-morada, sobrados, etc. O madeiramento do telhado, neste caso consistia apenas nas terças transversais e caibros, como nos informa Vaultier[29]. O telhado de quatro águas (3) era a cobertura mais comum nos pavilhões, o tipo construtivo mais utilizado para construções de maior porte, como casas-grandes, equipamentos públicos menores e mansões. Uma variante deste é o telhado de quatro águas com lanternim (4), que objetivava melhor iluminação e ventilação do telhado, bem como o uso alternativo desta área. O claustro (5) era a forma preferida para construções que aspiravam maior monumentalidade.

 

A CASA DO SERTANEJO

É a mais simples construção do período colonial. Eram casas de homens livres, espécies de colonos, que cultivavam uma propriedade, dividindo a produção como o senhor de engenho. Sua casa pode ser feita toda de palha – a palhoça – na qual a estrutura é feita de paus roliços revestidos com palha, geralmente de buriti[30] ou carnaúba[31]. As paredes podem ser de pau-a-pique, sendo então também chamadas tapona ou sopapo.

 

Tinham estas casas apenas um compartimento interno. Uma esteira grosseira de ramagens, estendidas nas extremidades são as camas de toda a família. Pendurado na estrutura do telhado, uma caixa de papelão ou um baú de folhas, onde “as moças guardam seus trajes de domingo”[32]. A cozinha era um canto deste compartimento único, com um forno e fogão de lenha, quando não um puxado do telhado ou um alpendre, que podia ser aberto ou fechado, ou ainda podia-se utilizar o quintal para cozinhar. Não havia, obviamente, banheiro ou latrina, como ainda hoje não se vê nas regiões mais afastadas, no interior. Indispensável, porém era o alpendre ou varanda frontal, o verdadeiro ambiente de estar. A entrada da varanda está sempre interceptada, para torna-la íntima e proteger da entrada de animais[33].

 

O rancho era também equipamento obrigatório. Colocado para além e junto da cerca, consistia em um pequeno abrigo para servir de pouso ao viajante ou tropeiro. Uma maneira de bem receber o visitante sem permitir o contato com a intimidade da casa.

FAZENDA DE ENGENHO

1- Capela; 2-Casa Grande (Proprietário); 3-Hóspedes; 4-Casa do engenho; 5-Cavalariças; 6- Casa do bagaço; 7- Forno; 8- Cocheira; 9- Refinaria-destilaria; 10- Olaria; 11- Senzalas; 12; Casa do feitor.

 

 


 

A SENZALA

Consistia, quase invariavelmente em um comprido telheiro, feito de alvenaria de tijolos ou pau-a-pique, com celas medindo aproximadamente 3 m de comprimento e largura, cobertas também com telhas, as terças apoiando-se diretamente nas paredes. As portas eram de tábuas de madeira. O piso de terra batida e sem forro ou outra abertura.

 

USINA DE ENGENHO

Segundo a descrição de Vauthier, consistia em uma vasta coberta sustentada por pilastras de tijolos, fechada apenas até a altura de um homem. As canas verdes empilhadas em uma das extremidades, as parelhas girando sem cessar.  Misturam-se o ruído dos gritos e o estalar das canas comprimidas sobre os cilindros.

 

1- Almanjarra e moenda; 2-Reservatório de madeira para o caldo de cana; 3- Bateria para evaporação e cozimento 4-  Chaminé; 5- Depósito de cana.

A CASA GRANDE

A Casa Grande era a sede das fazendas, que abrigava o senhor de engenho, sua família seus agregados e hóspedes. Diferentemente dos outros tipos construtivos, a casa grande podia variar muito quanto à forma.

1- Capela; 2-Quartos de hóspedes; 3- Sala de jantar; 4- Sala de estar; 5-Tribuna das mulheres.

Vaultier, em suas célebres cartas[34] documenta uma destas casa-grandes. Como visitante, não teve acesso à intimidade da casa, razão porque desenhou apenas uma parte. Mas não é difícil supor o restante: uma seqüência de compartimentos, quartos ou alcovas[35], ligados por um corredor e contando, eventualmente com uma varanda.

 

Estas casas eram de apenas um pavimento de habitação, levantado do solo. A parte de baixo, segundo Vaultier, ocupada por armazéns e pessoal de serviço. A técnica construtiva é a melhor disponível, podendo ser de alvenaria de pedra ou taipa de pilão, dependendo da região. Telhados de madeira e telhas de barro.

Elemento indispensável nas casas-grandes de fazenda é a varanda, grande e larga, ocupando na maioria das vezes toda a frente como é o caso da Fazenda do Viegas ou então contornando toda a edificação. Neste item, um exemplo dos mais curiosos é o da Fazenda Colubandê, em São Gonçalo, em que temos uma varanda periférica externa e outra interna, separadas pelos compartimentos das salas e quartos da casa.

O SÍTIO BANDEIRISTA

O sítio bandeirista é um caso especial na arquitetura colonial do segundo século. Objeto de primoroso estudo de Luís Saia[36], e comentado por Michel Foucault[37], que destaca a singularidade do quarto de hóspedes dentro do corpo da construção, porém abrindo para o exterior, como um caso de heterotopia. O sítio bandeirista é um tipo de edifício dos mais interessantes, pois, em que pese a precariedade dos meios construtivos, tem um desenho clássico dos mais rigorosos, podendo mesmo ser comparado as plantas de Palladio. Os doze exemplares estudados por Saia em São Paulo e municípios vizinhos são considerados pelo autor como solução típica dos fazendeiros abastados da região. Guardam entre si características muito próprias  e semelhanças que autorizam falar de um tipo arquitetônico. O Sítio do Padre Inácio e o Sítio do Mandu, em Cotia, e Sítio Querubim  em São Roque são os melhores exemplos. Nos três temos, salvo variações, na parte frontal uma varanda, uma capela e o célebre quarto de hóspedes, que causou impressão a Foucault.

A porta da frente não se abre para a parte principal da casa, onde a família vive, de modo que qualquer pessoa que passe por ali, qualquer viajante, tem o direito de abrir a porta, entrar no quarto e passar a noite ali. Agora, os quartos são dispostos de tal modo que as pessoas que lá ingressam, nunca atingem o coração da família: será apenas um viajante, jamais um hóspede verdadeiro. Este tipo de heterotopia, que hoje está quase completamente desaparecida de nossa civilização…[38]

A sala ocupa o lugar central e os quartos, a lateral. Nos fundos uma outra varanda, possivelmente uma área de serviços, não necessariamente uma cozinha, que podia ser externa à construção. A construção era sempre de taipa de pilão, telhados de barro assentes sobre madeiramento do tipo caibro armado. O espaço abaixo do telhado era aproveitado como depósito ou mesmo como abrigo de serviçais.


A CASA URBANA

A casa térrea

A casa urbana no Brasil colonial seguia um único padrão, determinado por questões parcelárias, tectônicas e ambientais. Quanto ao sistema parcelário, o lote urbano era sempre estreito e profundo, variando a largura de 5 a 8 metros[39].

Se contornar uma cidade importante, onde se comprimem, uns contra os outros, numerosos tetos de telhas, por mais atentamente que a observe, também não verá nunca destacar-se ali, por entre grupos de construções mais humildes [...] edifício algum de proporções grandiosas [...][40]


Não se concebiam casas urbanas recuadas e com jardins[41]. As casas eram alinhadas pela divisa frontal e geminadas nos dois lados – casas em correnteza –, criando a chamada rua corredor. Isto em parte se deve à precariedade das técnicas construtivas. Sabendo-se que a taipa de pilão, ou o pau-a-pique      eram vulneráveis à chuva, um dos modos de protegê-las das intempéries era colar empena com empena, restando apenas duas fachadas expostas. Os beirais e varandas se incumbiam da proteção destas.

Seguindo o princípio de Vaultier, de que “quem viu um casa brasileira, viu quase todas”[42], podemos nos basear no estudo de Paulo Thedim Barreto[43] sobre a casa piauiense e estendê-lo ao resto do Brasil. Não estaremos longe da verdade.

A casa mais simples que poderemos encontrar é a chamada casa de porta e janela, composta apenas de sala, quarto, varanda e cozinha. Para nossos padrões atuais, poderemos estranhar que a circulação para os compartimentos dos fundos se dê pelo quarto. Considere-se porém que nenhuma pessoa não pertencente ao convívio familiar era admitida para além da sala. Variações podem acontecer com o acréscimo de alcovas, compartimento do qual não temos conhecimento, mas que era muito comum, atendendo aos padrões de então de preservação da intimidade e proteção da família. Hoje pensamos que nenhum compartimento habitável pode prescindir de um vão de iluminação e ventilação. Este, porém, é uma idéia recente, criado pelos higienistas do século XIX. Estes propuseram a substituição do conceito deventilação química (volume de ar por pessoa) dos compartimentos então adotado pelo conceito deventilação física (circulação de ar).

As coberturas eram feitas com telhas de barro tipo capa-e-canal,  assentes sobre madeiramento, que se compunha apenas de caibros, cumeeira e terças, estas diretamente apoiadas nas paredes. A pouca largura de vãos a vencer dispensava o uso de tesouras.

 

O  SOBRADO

Logo a seguir, temos o sobrado urbano, um dos tipos de residência mais persistentes de nossa história da habitação individual. O termo sobrado hoje em dia designa o prédio com mais de um pavimento, não pressupondo a existência de pisos intermediários[44]. Acrescentaríamos que o números de pavimentos de um sobrado é geralmente dois, e não mais que três. Até hoje vemos um grande número de sobrados nos núcleos históricos de nossas cidades, a maioria tendo sido construída nos primeiros anos do século XX, mas que muito pouco acrescentaram ao sobrado setecentista, no que se refere à morfologia.

Dos mais antigos no Brasil temos aqueles conhecidos sobrados o da a casa nº 28, da rua do Amparo e a casa nº 7 do Pátio de São Pedro, ambos em Olinda, e datando provavelmente das primeiras décadas do século XVII. No primeiro caso, observamos que se trata de uma casa situada em terreno com grande aclive, razão porque o pavimento inferior, da rua do Amparo é bem menor. Temos aí a loja de comércio. Geralmente, nas áreas mais povoadas dos centros urbanos, o pavimento inferior era dedicado ao comércio. A casa de residência se desenvolve unicamente no sobrado, onde temos a sala, o santuário (lembremos não apenas a vocação católica do nosso povo como também o grande poder da igreja, em tempos de contra-reforma), as alcovas e nos fundos a sala de jantar e cozinha, dando o quintal para a ladeira da Misericórdia.

No outro caso, no sobrado do Pátio de São Pedro, temos um programa mais completo, pois se trata não somente de terreno plano como também de um lote de esquina. A planta apresentada reflete possivelmente as transformações de uso atualizadas, pois notamos uma casa já melhor equipada. Temos no pavimento térreo uma loja melhor dotada de espaços, com armazém e grande depósito, e os compartimentos dos fundos servindo à residência, com a sala de engomar, um compartimento que somente desaparece das casas brasileiras com o século XX já avançado, e a senzala urbana, que se transformou em quarto de criado. Note-se que já temos ai banheiro e W.C., integrados ao corpo da construção, embora com acesso por fora. No pavimento superior, por se tratar de uma casa de esquina. Temos quartos, uma alcova e a camarinha, pequena alcova ou quarto.

 

A técnica construtiva destes sobrados é a mais simples do período colonial, utilizando-se nas paredes o pau-a-pique, a taipa de pilão ou alvenaria de adobe ou tijolos cerâmicos, dependendo do local. As coberturas de telha cerâmica sobre madeiramento que raramente incluía tesouras, sendo mais comum apenas terças e caibros. O piso intermediário era sempre de frisos de madeira sobre coçoeiras transversais. Em alguns casos fazia-se um piso suplementar ocupando todo o espaço disponível ou apenas parte dele.

Na arquitetura residencial raramente se fugia deste padrão de sobrado. As exceções ficam por conta das casas de nobres, de ricos proprietários rurais, quando os lotes têm uma testada frontal maior e onde, apesar de se manter a linha de fachada, aparecem os pátios internos, que vão propiciar melhor ventilação aos compartimentos intermediários. Como exemplo, entre muitos, a casa do Barão de Pontal, construída em 1790, por José Pereira Arouca e um grande sobrado, ambos em Mariana, notável este último pelo grande número de pátios e quartos, formando um intrincado labirinto[45].



[1] BAZIN, 1956, Vol. 1, p. 58.

[2] “Vamos, façamos tijolos e cozamo-los ao fogo. Serviram-se de tijolos em vez de pedras, e de betume em lugar de argamassa.” (Gênese, cap. 11-3)

[3] SANTOS, 1951, p. 90.

[4] Minério de ferro.

[5] John Mawe, em seu livro Viagens ao Interior do Brasil (1812) relata: “Essa espécie de estrutura é durável; vi casas assim construídas que dizem ter duzentos anos…”. Apud VASCONCELOS, 1979, p. 21.

[6] BAZIN, 1956, Vol. 1, p.57.

[7] BARRETO, Paulo Thedim. “Casas de câmara e cadeia”, p. 173. In: Arquitetura Oficial I, 1975.

[8] SANTOS, 1951, p. 83.

[9] O termo formigão pode também designar a mistura de cascalho, saibro ou areia, e cal usada em fundações. Em Portugal, designa a mistura de cal e saibro umidecida, apiloada dentro de formas, como a taipa de pilão.

[10] Madre é também o nome genérico de todas as peças horizontais, baldrames e frechais e também das linhas de tesouras, quando estas suportam a carga de um pavimento imediatamente sob o telhado.

[11] SANTOS, 1951, p. 86.

[12] Ver, p. e., MONTEIRO, J. C. R. Tesouras de telhado, Rio de Janeiro: Interciência, 1976.

[13] SPIX E MARTIUS. Viagem pelo Brasil. Rio de Janeiro, 1938. Apud VASCONCELOS. 1979.

[14] Joseph de Laporte. Apud SMITH,  Robert. (1969)” Arquitetura civil no período colonial” In: Arquitetura Civil I. São Paulo: FAUUSP e MEC-IPHAN, 1975.

[15] SMITH, Op. cit..

[16] PINTO., Estêvão (1943). “Maxarabis e balcões”. In: Arquitetura Civil II.Textos Escolhidos da Revista do IPHAN. São Paulo: FAUUSP e MEC-IPHAN, 1975.

[17] No Novo Dicionário Aurélio temos Rótula. 1. Gelosia; e Gelosia 1. Grade de frasquias de madeira cruzadas intervaladamente que ocupa o vão de uma janela; rótula. 2. Janela de rótula.

[18] PINTO, Op. cit.

[19] Sítio das bebidas, ou local onde se punham as bilhas a fim de refrescar a água.

[20] PINTO, Op. cit..

[21] BARRETO, sd., p.191.

[22] Apontamentos, Vila Rica, 1745. Apud  BARRETO, Op. cit., p. 193.

[23] Barro branco, untoso ao tato. De “toba-tinga”, i. e. barro branco. Sendo mais fácil de encontrar que a cal de mariscos, seu uso se generalizou na pintura de casas mais simples. À tabatinga adicionava-se algum fixador, seja albumina de leite, de sorveira (árvore resinosa) ou soluções de pedra-ume.

[24] Excetuando a cochonilha, inseto que fornece um corante carmim, os otros pigmentos são de origem vegetal. São tirados das folhas, como o índigo – do indigeiro, uma leguminosa; dos frutos, como o urucum; de flores, como a açafroa, ou do próprio tronco, como a braúna e o drago

[25] SANTOS, 1951, p. 86.

[26] Muros contínuos de fundação. Não confundir com a peça de madeira chamada de baldrame nas paredes de pau-a-pique.

[27] SANTOS, 1951, p. 92.

[28] SMITH, Robert C. A arquitetura civil do período colonial. In: Arquitetura Civil I. Textos Escolhidos da Revista do IPHAN. São Paulo: FAUUSP e MEC-IPHAN, 1975. P. 128.

[29] VAUTIER, L. L.  Casas de residência no Brasil. In: Arquitetura Civil I. Textos Escolhidos da Revista do IPHAN. São Paulo: FAUUSP e MEC-IPHAN, 1975. P. 41 ss.

[30] Tipo de palmeira brasileira cujas folhas e troncos são utilizadas em construções rústicas.

[31] Tipo de palmácea comum no nordeste, que além dar derivados com que se fabricam, entre outras coisas, velas, sabonetes, isolantes, oferece o tronco e as palmas para as construções civis

[32] VAUTIER, L. L.  Casas de residência no Brasil. In: Arquitetura Civil I. Textos Escolhidos da Revista do IPHAN. São Paulo: FAUUSP e MEC-IPHAN, 1975. P. 94.

[33] BARRETO. Paulo Thedim. O Piauí e a sua arquitetura. In: Arquitetura Civil I. Textos Escolhidos da Revista do IPHAN. São Paulo: FAUUSP e MEC-IPHAN, 1975. P. 213.

[34] VAUTIER, L. L.  Casas de residência no Brasil. In: Arquitetura Civil I. Textos Escolhidos da Revista do IPHAN. São Paulo: FAUUSP e MEC-IPHAN, 1975. P. 80.

[35] Quarto interno, sem aberturas para o exterior.

[36] AIA, Luís. “Notas sobre a arquitetura rural paulista do segundo século”. In: Arquitetura Civil I. Textos Escolhidos da Revista do IPHAN. São Paulo: FAUUSP e MEC-IPHAN, 1975. P. 221-281.

[37] FOUCAULT, Michel. “Des espaces autres” In: Dits et écrits. 1984.

[38] FOUCAULT. Op Cit.

[39] VAUTIER, L. L.  Casas de residência no Brasil. In: Arquitetura Civil I. Textos Escolhidos da Revista do IPHAN. São Paulo: FAUUSP e MEC-IPHAN, 1975. P. 32.

[40] VAUTIER, L. L. Op. Cit.

[41] REIS FILHO, Nestor Goulart. Quadro da arquitetura no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1970. P. 22.

[42] VAUTIER, L. L. Op. Cit. P. 37.

[43] BARRETO, Paulo T. “O Piauí e sua arquitetura” In: Arquitetura Civil I. Textos Escolhidos da Revista do IPHAN. São Paulo: FAUUSP e MEC-IPHAN, 1975. P. 191-219.

[44] CORONA, Eduardo e LEMOS, Carlos A. C. Dicionário da arquitetura brasileira. São Paulo, EDART, 1972. P. 429.

[45] RODRIGUES, José Wasth. Documentário arquitetônico. Belo Horizonte: Itatiaia, 1979. P. 148.

Exibições: 16540

Anexos

© 2018   Criado por Charles Moraes de Lima.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço