Instituto Histórico IMPHIC - Betim

"Sapire ut protegas, Protegere ut conserues"

Informação

SABERES

ESTE GRUPO DESTINA-SE A DISCUTIR SOBRE OS CONHECIMENTOS ENRAIZADOS NO COTIDIANO DAS COMUNIDADES.

Membros: 16
Última atividade: 1 Jul, 2011

Fórum de discussão

Este grupo ainda não possui nenhum tópico.

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de SABERES para adicionar comentários!

Comentário de Charles Moraes de Lima em 6 fevereiro 2009 às 10:24
O TERMO DE ABERTURA VC PODE SEGUIR UM MODELO MAIS OU MENOS ASSIM:

TERMO DE ABERTURA

Este Livro de Registro dos Saberes , contendo ____ (____) folhas numeradas que levam a minha rubrica, servirá para inscrição dos conhecimentos e modos de fazer enraizados no cotidiano das comunidades da cidade de_______________________________, na forma da Lei Municipal nº [...] de [...] .

Local e data

________________________________
Presidente do Conselho Municipal do Patrimônio Cultural de [...]
Comentário de Charles Moraes de Lima em 6 fevereiro 2009 às 10:14
BOM,
VOCÊ VAI FAZER ISSO A PARTIR DA LEI DE TOMBAMENTO QUE CRIA OS PRINCIPAIS LIVROS DE REGISTRO DE PATRIMONIO IMATERIAL
1. Livro dos Saberes;
2. Livro das Celebrações;
3. Livro das Formas de Expressão e
4. Livro dos Lugares.

PODE-SE CRIAR OUTROS LIVROS DE BENS QUE NAO SE ENQUADREM NESSAS CATEGORIAS, COMO POR EXEMPLO BENS DEMOLIDOS.

NO LIVRO DOS SABERES SÃO INSCRITOS CONHECIMENTOS E MODOS DE FAZER ENRAIZADOS NO COTIDIANO DAS COMUNIDADES.

NO LIVRO DAS CELEBRAÇÕES SÃO INSCRITOS RITUAIS E FESTAS QUE MARCAM A VIVÊNCIA COLETIVA DO TRABALHO, DA RELIGIOSIDADE, DO ENTRETENIMENTO E DE OUTRAS PRÁTICAS DA VIDA SOCIAL.

NO LIVRO DAS FORMAS DE EXPRESSÃO SÃO INSCRITAS MANIFESTAÇÕES LITERÁRIAS, MUSICAIS, PLÁSTICAS, CÊNICAS E LÚDICAS.

NO LIVRO DOS LUGARES SÃO INSCRITOS MERCADOS, FEIRAS, SANTUÁRIOS, PRAÇAS E DEMAIS ESPAÇOS ONDE SE CONCENTRAM E SE REPRODUZEM PRÁTICAS CULTURAIS COLETIVAS.

ELES SERÃO LIVROS COMO AQUELES LIVROS DE ATAS, CAPA PRETA, ONDE AS AUTORIDADES COMPETENTES DÃO TERMO DA ABERTURA DESCREVENDO A FINALIDADE DO LIVRO E ASSINAM.

A PARTIR DAI TODOS OS BENS REGISTRADOS NESSES LIVROS E REFERENDADOS PELO CONSELHO DE PATRIMONIO CULTURAL, NOS TERMOS DA LEI QUE CRIOU A PROTEÇÃO AOS BENS CULTURAIS DA CIDADE, SÃO CONSIDERADOS BENS REGISTRADOS E SOB PROTEÇÃO.

LEMBRANDO QUE É NECESSARIO DAR PUBLICIDADE EXPLÍCITA AO REGISTRO DO BEM CULTURAL, NO MINAS GERAIS FICA OFICIAL E NO MAIOR JORNAL DE CIRCULAÇÃO DA CIDADE OU REGIÃO PARA DAR CIENCIA A POPULAÇÃO.

ESPERO TER AJUDADO

QUALQUER COISA SO ME CONTACTAR
Comentário de HELENA em 23 janeiro 2009 às 13:13
me da uma luz charles
eu to querendo criar um livro de registro aqui em campo azul, para marcar justamente este tipo de coisa

os saberes

como eu faço isso?
Comentário de Sílvia Cristina Ferreira em 23 janeiro 2009 às 13:00
Olá Charles,
Que contribuição importante você está dando pra nós com este site.
Com certeza podemos aprender muito sobre a vida e os saberes repassados... Adorei!!!
Comentário de Pierre em 9 novembro 2008 às 20:03
Valeu Charles!! como se diz por ai: o Saber está em tudo e em todos!! ademais como disse o grande Sócrates (salvo engano) no final de sua vida: "Só sei que nada sei" Forte Abraço!!!
Comentário de Silvânia Aparecida de Souza em 8 novembro 2008 às 19:25
Muito legal este texto, saberes que cada um carrega não importando a veracidade mas o bom senso.
Como a letra de uma música cantada por Almir Sarter ... "cada um carrega o dom de ser feliz e ser capaz".... Abraços.
Comentário de Charles Moraes de Lima em 6 novembro 2008 às 20:43
Saberes científicos e saberes populares

(Apresentado na Runião Anual da Associação Brasileira de Antropologia, Vitória, abril de1998)

Simon Schwartzman

A principal contribuição da moderna antropologia e sociologia do conhecimento, marcada pelos trabalhos pioneiros de Karin Knorr e Bruno Latour, entre outros, foi o rompimento da demarcação rígida que se supunha existir entre o conhecimento "verdadeiro", científico, e o conhecimento popular, não científico e, por isto mesmo, tratado frequentemente como ingênuo ou errôneo. O que hoje sabemos é que nem o conhecimento chamado "científico" é tão seguro e verdadeiro assim, nem o conhecimento popular é necessariamente errôneo.

Pensando bem, não há nada de novo nisto. Qualquer pessoa que conhece de perto uma área de pesquisa científica, seja nas ciências naturais, seja nas ciências sociais, sabe como o conhecimento científico avança por tentativas e erros, e sabe também que as pessoas e civilizações sobreviveram e ainda sobrevivem a custa de conhecimentos práticos e tradições acumuladas ao longo do tempo, sem uma base dita "científica" constituída de forma explícita.

Eu diria que a novidade consiste, primeiro na redescoberta da existência de um corpo de idéias, no nível da lógica, da filosofia, da história da ciência e das ciencias sociais que questionam a possibilidade de uma linha de demarcação absoluta entre os diferentes tipos de conhecimento. Eu nao teria como reconstituir esta história aqui, mas ela inclui, como marcos importantes, os trabalhos do chamado "segundo Wittgenstein", que substitui a busca de uma fundamentação lógica do conhecimento por um conjunto de aforismas sobre a constituição da linguagem; o famoso "teorema de Goedel", que aparentemente demonstra que todos os sistemas lógicos são inerentemente incompletos e abertos; e os trabalhos de Thomas Khun e outros, mostrando como o conhecimento científico tem um forte componente de construção social de consenso.

Esta redescoberta tem sido posta a serviço de diferentes usos, alguns mais interessantes e significativos, outros mais problemáticos. Eu diria que os mais interessantes têm sido os esforços em entender e explicitar os mecanismos sociais que levam à constitução de "verdades" socialmente aceitas e consolidadas, não só na forma de proposições, mas também de "objetos técnicos" bem constituídos. Ao examinar, até o limite, os processos sociais de constituição destas "verdades", os sociólogos e antropólogos da ciência realizam o que alguns denominaram de "chicken game" com a epistemologia, ou seja, o jogo de levar ao limite a noção de que os conhecimentos são constituidos por mecanismos estritamente sociais de disputa de espaço, poder e formação de consenso. Neste jogo, são explicitados os vínculos que existem entre a formação do conhecimento científico e os interesses, entre o conhecimento teórico e o conhecimento aplicado, entre as motivações dos indivíduos e os condicionantes da natureza.

Muito mais problemática é a ilação, a meu ver completamente equivocada, de que o qüestionamento da linha clara de demarcação entre a ciência e a não ciência equivale a dizer que todos os conhecimentos, tudo o que se diz sobre o mundo empírico, é equivalente, que não há difereça entre o certo e o errado, e que tudo é questão de poder e ideologia. É como se, no mundo do comportamento ético e moral, eu dissesse que a inexistência de uma demarcação absoluta entre o bem e o mal (pretendida, geralmente, pelas religiões), significasse que todos os comportamentos e ações são igual e indiferentemente válidos. Eu acredito, ao contrário, que o comportamento ético não depende de uma demarcação rígida entre o bem e o mal, e da mesma maneira o conhecimento técnico e científico não depende, para existir, de uma linha de demarcação rígida entre a Verdade e a Inverdade.

Simétrico ao questionamento da validade dos conhecimentos científicos é a noção de que são os conhecimentos populares, tradicionais, que englobam a verdadeira sabedoria, a Verdade verdadeira. Nesta visão, o que vale é a homeopatia, não a medicina alopática; as práticas das parteiras, e não dos médicos obstetras; a capacidade dos índios de fazer chover, e nao as previsões da meteorologia. O positivo desta perspectiva é que ela permite recuperar e valorizar tradições e formas de conhecimento que são muitas vezes abandonadas e destruídas pelo poder avassalador de outras formas de conhecimento oriundas da tradição científica e técnica ocidental; mas sua dimensao romântica, e muitas vezes ingênua, nao pode ser desconsiderada.

Eu diria que, em toda esta discussão, falta um entendimento mais aprofundado da própria natureza do trabalho científico, que os antropólogos e sociólogos da ciência estão aos poucos revelando, mas que a discussão ideológica que eles geraram muitas vezes oculta. Uma das dificuldades em ver como o conhecimento científico se dá efetivamente é causada pela tendência, tanto de cientistas como de epistemólogos, de dar preferência à apresentação da ciência pronta em detrimento da ciência em processo, e apresentá-la, na medida do possível, como um corpo dogmático e fechado de verdades e demonstrações. Se ultrapassamos esta barreira inicial, o que vemos do outro lado não é o caos, mas um processo muito estruturado de organização, sistematização e testes de conhecimentos, que varia de disciplina para disciplina, que aceita graus diferentes de erros e tolerâncias, mas que é muito distinto dos processos de constituição dos conhecimentos populares, muito mais abertos e menos sensíveis a indefinições e contradições.

Wittgenstein, em uma passagem famosa citada por Clifford Geertz em um texto também famoso sobre "local knowledge", compara a linguagem com uma cidade, com suas grandes e modernas avenidas, mas também suas ruelas e becos em subúrbios antigos e recônditos. A história da revolta da vacina, no Brasil, é um exemplo claro da junção destas duas dimensões - o conhecimento científico que busca ordernar as cidades, e neste processo ameaça destruir formas tradicionais de vida e organizção social, e os conhecimentos tradicionais dos becos e subúrbios. Já não temos hoje a arrogância dos reformadores da ciência e dos urbanistas do início do século, mas tampouco podemos, simplesmente, nos opôr à vacina e preferir a cultura da comunidade e da varíola. Há de existir um espaço intermediário, que temos que construir e ampliar. /body>
Comentário de GERMANO ALVES RESENDE em 6 novembro 2008 às 16:25
PERGUNTA: COMO DESCREVO " SABERES " PARA NOSSO ENTENDIMENTO? E PODER ASSIM CONTRIBUIR COM O PROJETO?
 

Membros (15)

 
 
 

© 2014   Criado por Charles Moraes de Lima.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço